Vivemos dentro de uma simulação

Vivemos dentro de uma simulação

O mundo em que vivemos é uma simulação. Vários físicos sugerem que o nosso universo não é real, mas uma gigante simulação. Vários físicos, cosmólogos e tecnólogos estão agora considerando a ideia de que todos nós estamos vivendo dentro de uma gigantesca simulação computacional, no qual supostamente experimentamos um mundo virtual no estilo do filme Matrix que, erroneamente, pensamos ser real. Inúmeros gênios e entusiastas da psicodelia ponderaram essa questão por séculos, formulando teorias que vão do científico ao místico. As descobertas da física quântica podem lançar algumas dúvidas sobre o fato de que o universo material é real.

A realidade é o que consideramos verdade. O que consideramos verdade é o que acreditamos. O que acreditamos é baseado em nossas percepções. O que percebemos depende do que procuramos. O que procuramos depende do que pensamos. O que pensamos depende do que percebemos. O que percebemos determina o que acreditamos. O que acreditamos determina o que consideramos verdade. O que consideramos verdade é a nossa realidade.

Esse tipo de “simulador pós-humano”, precisaria de poder computacional suficiente para acompanhar “os estados de crença detalhados em todos os cérebros humanos em todos os momentos e de todo o planeta”. Por quê? Porque essencialmente precisaria sentir observações (de pássaros, carros e assim por diante) antes que elas acontecessem e fornecer detalhes simulados de tudo o que estava prestes a ser observado. No caso de um colapso da simulação, o controlador poderia simplesmente “editar os estados de qualquer cérebro que tenha percebido uma anomalia antes que ela estrague a simulação. Alternativamente, o controlador pode pular alguns segundos e executar novamente a simulação de uma maneira que evite o problema.”

Os matemáticos provaram que uma máquina de computação universal pode criar um mundo artificial capaz de simular seu próprio mundo e assim por diante. Em outras palavras, simulações se aninham dentro de simulações dentro de simulações... Como os mundos falsos podem superar os reais sem restrições, o multiverso “real” inevitavelmente geraria um número muito maior de multiversos virtuais. De fato, haveria uma torre ilimitada de multiversos virtuais, deixando o “real” inundado em um mar de falsificações.

O universo pode ser considerado como um computador quântico gigante. Se a realidade é apenas informação, então não somos mais ou menos “reais” se formos numa simulação ou não. Em ambos os casos, a informação é tudo o que podemos ser. Faz alguma diferença se essas informações foram programadas pela natureza ou por criadores superinteligentes? Não é óbvio porque deveria – exceto que, neste último caso, presumivelmente nossos criadores poderiam, em princípio, intervir na simulação, ou mesmo desligá-lo. 

Platão se perguntou se o que percebemos como realidade é como as sombras projetadas nas paredes de uma caverna. Immanuel Kant afirmou que, embora possa haver alguma coisa em si que subjaz às aparências que percebemos, nunca podemos conhecê-la. René Descartes aceitou, em seu famoso “penso, logo existo”, que a capacidade de pensar é o único critério significativo de existência que podemos atestar.

O conceito de “mundo como simulação” pega aquele velho provérbio filosófico e veste-o no traje de nossas últimas tecnologias. Não há mal nisso. Como muitos enigmas filosóficos, ele nos incita a examinar nossas suposições e preconceitos.

A questão de se vivermos em um universo simulado tem sido muito debatida desde o período do Iluminismo. Não há uma resposta definitiva, mas a teoria da simulação postula que o universo como o conhecemos é uma construção digital avançada supervisionada por alguma forma superior de inteligência.

Desde o momento em que entrou na consciência popular, muitos notaram que a teoria da simulação é essencialmente um desdobramento moderno da história “Alegoria da Caverna” de Platão do livro do filósofo grego A República , e a hipótese do demônio maligno de René Descartes do filósofo e cientista francês Primeira Meditação. Ambos contêm reflexões sobre a percepção e a natureza do ser – assuntos que continuam a intrigar e provocar. 

Desde que o filósofo Nick Bostrom propôs no Philosophical Quarterly que o universo e tudo nele poderia ser uma simulação, tem havido intensa especulação pública e debate sobre a natureza da realidade. Artigos recentes se basearam na hipótese original para refinar ainda mais os limites estatísticos da hipótese, argumentando que a chance de vivermos em uma simulação pode ser de 50 a 50 .

Matrix formulou a narrativa com uma clareza sem precedentes. Nessa história, os seres humanos são trancafiados por um poder maligno em um mundo virtual aceito inquestionavelmente como “real”. O pesadelo de ficção científica de estar preso em um universo fabricado dentro de nossas mentes pode ser rastreado mais atrás em, por exemplo, Videodrome de David Cronenberg (1983) e Brasil de Terry Gilliam (1985).

No filme Brasil de Terry Gilliam (1985), Sam Lowry (Jonathan Pryce) vive num Estado totalitário, controlado pelos computadores e pela burocracia. Neste Estado futurista, todos são governados por fichas e cartões de crédito e ainda precisam pagar por tudo, até mesmo pela permanência na prisão. Em meio à opressão, Sam acaba se apaixonando por Jill Layton (Kim Greist), uma terrorista.

No filme Videodrome de David Cronenberg (1983), Max Renn (James Woods), dono de uma pequena emissora de televisão a cabo, capta imagens de pessoas torturadas e mortas. Logo ele descobre que a transmissão se chama Videodrome, é gerada em Pittsburgh e é muito mais que um mórbido show. Trata-se de um experimento que usa a televisão para alterar permanentemente as percepções das pessoas, causando sérios danos no cérebro.

Alguns cientistas argumentam que já existem boas razões para pensarmos que estamos dentro de uma simulação. Um é o fato de que nosso universo parece projetado.

As constantes da natureza, como as forças das forças fundamentais, têm valores que parecem muito bem afinados para tornar a vida possível. Até pequenas alterações significariam que os átomos não seriam mais estáveis, ou que as estrelas não poderiam se formar. Assim isso é um dos mistérios mais profundos da cosmologia.

Uma possível resposta invoca o “multiverso”. Talvez haja uma infinidade de universos, todos criados em eventos do tipo do Big Bang e todos com diferentes leis da física. Por acaso, alguns deles seriam afinados para a vida – e se não estivéssemos em um universo tão hospitaleiro, não faríamos a pergunta de afinação porque não existiríamos.

No entanto, universos paralelos são uma ideia bastante especulativa. Por isso, é pelo menos concebível que o nosso universo é, em vez disso, uma simulação cujos parâmetros foram aperfeiçoados para dar resultados interessantes, como estrelas, galáxias e pessoas.

A Mecânica Quântica, a teoria do minúsculo, tem lançado todo o tipo de coisas estranhas. Por exemplo, tanto a matéria quanto a energia parecem ser granulares. Além do mais, há limites para a resolução com a qual podemos observar o universo, e se tentarmos estudar algo menor, as coisas simplesmente ficam “distorcidas”. Essas características desconcertantes da física quântica são exatamente o que seria de esperar em uma simulação. Eles são como a pixelização de uma tela quando você olha muito de perto. Um segundo argumento é que o universo parece funcionar em linhas matemáticas, exatamente como seria de esperar de um programa de computador.

Por outro lado, as simulações não teriam de se basear em regras matemáticas. Eles poderiam ser configurados, por exemplo, para trabalhar aleatoriamente. Não é claro se isso resultaria em resultados coerentes, mas o ponto é que não podemos usar a natureza aparentemente matemática do universo para deduzir qualquer coisa sobre sua “realidade”.

É provável que seja profundamente difícil, senão impossível, encontrar provas sólidas de que estamos numa simulação. A menos que a simulação fosse realmente bastante errônea, seria difícil projetar um teste para o qual os resultados não pudessem ser explicados de outra forma. Podemos nunca saber, diz Smoot, simplesmente porque nossas mentes não estariam à altura da tarefa. Afinal, você projeta seus agentes em uma simulação para funcionar dentro das regras do jogo, não para subvertê-los. Esta pode ser uma caixa que não podemos pensar fora.

A própria teoria quântica está sendo cada vez mais expressa em termos de informação e computação. Alguns físicos acham que, em seu nível mais fundamental, a natureza pode não ser pura matemática, mas pura informação: bits, como o sistema binário de computadores. 

Para entender se vivemos em uma simulação, precisamos começar observando o fato de que já temos computadores executando todos os tipos de simulações para “inteligências” ou algoritmos de nível inferior. Para facilitar a visualização, podemos imaginar essas inteligências como qualquer personagem não-pessoal em qualquer videogame que jogamos, mas, em essência, qualquer algoritmo operando em qualquer máquina de computação se qualificaria para nosso experimento mental. Não precisamos da inteligência para sermos conscientes, e nem precisamos que ela seja muito complexa, porque a evidência que procuramos é “experimentada” por todos os programas de computador, simples ou complexos, rodando em todas as máquinas, lentos ou rápido.

Todo hardware de computação deixa um artefato de sua existência dentro do mundo da simulação que está sendo executada. Este artefato é a velocidade do processador. Se por um momento imaginarmos que somos um programa de software rodando em uma máquina de computação, o único e inevitável artefato do hardware que nos sustenta, dentro do nosso mundo, seria a velocidade do processador. Todas as outras leis que experimentaríamos seriam as leis da simulação ou do software do qual fazemos parte. 

O espaço é para o nosso universo o que os números são para a realidade simulada em qualquer computador. A matéria movendo-se pelo espaço pode ser vista simplesmente como operações que acontecem no espaço variável. Se a matéria está se movendo a, digamos, 1.000 milhas por segundo, então 1.000 milhas de espaço estão sendo transformadas por uma função, ou operadas a cada segundo. Se houvesse algum hardware executando a simulação chamada “espaço” do qual matéria, energia, você, eu, tudo faz parte, então um sinal revelador do artefato do hardware dentro do “espaço” da realidade simulada seria um limite máximo para o tamanho do contêiner para o espaço no qual uma operação pode ser executada. Tal limite apareceria em nosso universo como uma velocidade máxima.

Esta velocidade máxima é a velocidade da luz. Não sabemos qual hardware está executando a simulação do nosso universo ou quais propriedades ele possui, mas uma coisa que podemos dizer agora é que o tamanho do contêiner de memória para o espaço variável seria de cerca de 300.000 quilômetros se o processador realizasse uma operação por segundo .

Se estivermos em uma simulação, como parece, então o espaço é uma propriedade abstrata escrita em código. Não é real. É análogo aos números sete milhões e um em nosso exemplo, apenas diferentes representações abstratas no mesmo bloco de memória de tamanho. Para cima, para baixo, para frente, para trás, 10 milhas, um milhão de milhas, estes são apenas símbolos. A velocidade de qualquer coisa que se mova pelo espaço (e, portanto, alterando o espaço ou realizando uma operação no espaço) representa a extensão do impacto causal de qualquer operação na variável “espaço”. Esse impacto causal não pode se estender além de cerca de 300.000 km, dado que o computador do universo realiza uma operação por segundo.

Podemos ver agora que a velocidade da luz atende a todos os critérios de um artefato de hardware identificado em nossa observação de nossas próprias construções de computador. Ele permanece o mesmo independente da velocidade do observador (simulado), é observado como limite máximo, é inexplicável pela física do universo e é absoluto. A velocidade da luz é um artefato de hardware que mostra que vivemos em um universo simulado.

Imagine um personagem em um RPG, digamos um Sim ou o personagem do jogador em Grand Theft Auto. O algoritmo que representa o personagem e o algoritmo que representa o ambiente de jogo no qual o personagem opera estão interligados em muitos níveis. Mas mesmo assumindo que o personagem e o ambiente são separados, o personagem não precisa de uma projeção visual de seu ponto de vista para interagir com o ambiente.

Os algoritmos levam em consideração algumas das variáveis ​​ambientais e algumas variáveis ​​de estado do personagem para projetar e determinar o comportamento tanto do ambiente quanto do personagem. A projeção visual ou o que vemos na tela é para nosso benefício. É uma projeção subjetiva de algumas das variáveis ​​dentro do programa para que possamos experimentar a sensação de estar no jogo. A projeção audiovisual do jogo é uma interface subjetiva integrada para nosso benefício, essencialmente alguém que controla a simulação. A interface subjetiva integrada não tem outra razão de existir a não ser para nos servir. Um experimento de pensamento semelhante pode ser executado com filmes. Os filmes muitas vezes entram no ponto de vista dos personagens e tentam nos mostrar as coisas da perspectiva deles. Se uma cena de filme em particular faz isso ou não, o que é projetado na tela e nos alto-falantes — a experiência integrada do filme — não tem propósito para os personagens do filme. É inteiramente para nosso benefício.

Praticamente desde os primórdios da filosofia, temos feito a pergunta: por que precisamos de consciência? Que finalidade serve? Bem, o propósito é fácil de extrapolar uma vez que admitimos a hipótese de simulação. A consciência é uma interface subjetiva integrada (combinando cinco sentidos) entre o eu e o resto do universo. A única explicação razoável para sua existência é que existe para ser uma “experiência”. Essa é a sua principal razão de ser. Partes dele podem ou não fornecer qualquer tipo de vantagem evolutiva ou outra utilidade. Mas a soma total dela existe como uma experiência e, portanto, deve ter a função primária de ser uma experiência. Uma experiência por si só como um todo é muito dispendiosa em termos de energia e restritiva de informações para ter evoluído como uma vantagem evolutiva.

Não há nada na filosofia ou na ciência, nenhum postulado, teoria ou lei, que possa prever o surgimento dessa experiência que chamamos de consciência. As leis naturais não exigem sua existência, e certamente não parece nos oferecer nenhuma vantagem evolutiva. Só pode haver duas explicações para sua existência. A primeira é que existem forças evolucionárias em ação que não conhecemos ou ainda não teorizamos que selecionam o surgimento da experiência chamada consciência. A segunda é que a experiência é uma função que servimos, um produto que criamos, uma experiência que geramos como seres humanos. Para quem criamos este produto? Como eles recebem a saída dos algoritmos geradores de qualia que somos? Nós não sabemos. Mas uma coisa é certa, nós criamos. Sabemos que existe. Essa é a única coisa que podemos ter certeza.

Então aqui estamos gerando esse produto chamado consciência para o qual aparentemente não temos utilidade, que é uma experiência e, portanto, deve servir como uma experiência. O único próximo passo lógico é supor que este produto serve a outra pessoa.

Agora, uma crítica que pode ser levantada a essa linha de pensamento é que, ao contrário dos personagens de RPG, digamos. Grand Theft Auto, nós mesmos experimentamos a qualia. Se este é um produto para outra pessoa, por que estamos experimentando isso? Bem, o fato é que os personagens de Grand Theft Auto também experimentam parte dos qualia de sua existência. A experiência dos personagens é muito diferente da experiência do jogador do jogo, mas entre o personagem vazio e o jogador existe uma área cinzenta onde partes do jogador e partes do personagem se combinam para algum tipo de consciência.

Os jogadores sentem algumas das decepções e alegrias que são projetadas para o personagem sentir. O personagem experimenta as consequências do comportamento do jogador. Esta é uma conexão muito rudimentar entre o jogador e o personagem, mas já com dispositivos de realidade virtual estamos vendo os limites se confundirem. Quando estamos andando em uma montanha-russa como um personagem no dispositivo Oculus VR, sentimos a gravidade.

De onde vem essa gravidade? Ela existe em algum lugar no espaço entre o personagem que está andando na montanha-russa e nossas mentes ocupando a “mente” do personagem. Certamente pode-se imaginar que no futuro esse espaço intermediário seria mais amplo. Certamente é possível que, à medida que experimentamos o mundo e geramos qualia, estejamos experimentando uma pequena parte dos qualia, enquanto talvez uma versão mais rica em informações dos qualia esteja sendo projetada em alguma outra mente para cujo benefício a experiência da consciência. primeiro veio a existir.  

Então, aí está. A explicação mais simples para a existência da consciência é que ela é uma experiência criada por nossos corpos, mas não por nós. Somos máquinas geradoras de qualia. Como personagens em Grand Theft Auto, existimos para criar saídas audiovisuais integradas. Além disso, como acontece com os personagens de Grand Theft Auto, nosso produto provavelmente é para o benefício de alguém que vive nossas vidas através de nós.

Quais são as implicações desta descoberta monumental? A mãe de todas as conspiraçãos, aquela que diz que tudo, com exceção de nada, é falso e uma conspiração destinada a enganar nossos sentidos. Todos os nossos piores medos sobre forças poderosas em jogo controlando nossas vidas sem o nosso conhecimento, agora se tornaram realidade. E, no entanto, essa impotência absoluta, esse engano perfeito não nos oferece saída em sua revelação. Tudo o que podemos fazer é aceitar a realidade da simulação e fazer dela o que pudermos.

Postar um comentário

Copyright © DUDUALLO | Distributed by Blogger Templates | Designed by OddThemes
Copyright © 2020-2022 DUDUALLO. Todos os direitos reservados.