432hz e 440hz - A Conspiração da Música

432hz e 440hz - A Conspiração da Música


“Se você quer encontrar os segredos do universo, pense em termos de energia, frequência e vibração.” – Nikola Tesla


A música pode ser uma ferramenta muito poderosa de transformação do corpo e da alma humana e também pode ser usada pela elite global para alienar e controlar a população mundial. No entanto, a informação veio à luz nos últimos anos que a nossa escala musical dos dias modernos foi roubada de seu vasto potencial para a cura e transformação, e havia uma poderosa, escala de tempo tonal honrada conhecida como as “Frequências Originais de Solfeggio” ou afinada a 432Hz.

A maior parte da música mundial é afinada em 440Hz desde que a International Standards Organization (ISO) aprovou em 1953. As descobertas recentes da vibração – oscilação natural do universo indica que essa afinação contemporânea pode gerar um efeito prejudicial à saúde ou um comportamento anti-social na consciência dos seres humanos.

Todos podem perceber que a maioria dos instrumentos musicais atualmente possuem a mesma afinação. A=432Hz, conhecido como “Lá de Verdi” ou “Afinação Verdi” é uma afinação alternativa que é matematicamente consistente com o universo. A frequência 432 Hz utiliza a fórmula Pi, conhecida como regra de ouro.

É capaz de reproduzir de forma natural a “espiral musical pitagórica”. É a sequência seguida por toda forma de vida. Está em ressonância com cada célula de nosso corpo. É a frequência dos batimentos cardíacos. Estimula a produção de serotonina e o lado direito do cérebro.

Essa é a frequência de afinação dos violinos Stradivarius que, não por acaso, soam muito melhor do que os violinos convencionais. Está de acordo com padrões matemáticos perfeitos. As músicas baseada em 432Hz transmite energia de cura benéfica, porque é um tom puro de matemática fundamental da natureza.

Há uma teoria que diz que a mudança de 432Hz para 440Hz foi ditada pelo ministro de propaganda nazista, Joseph Goebbels. Ele usou-a para fazer com que as pessoas pensassem e sentissem de uma certa maneira, e para fazê-los prisioneiros de uma certa consciência. E assim, até hoje seriamos vítimas dessa imposição nazista e nossa vida musical não está tão em sintonia com o cosmos, como aconteceria se a afinação de todos os instrumentos fosse a 432Hz.

Os Estados Unidos em 1940, introduziram mundialmente o padrão 440Hz, e finalmente em 1953, tornou-se o padrão pela ISO. 440Hz é o padrão antinatural de afinação, removido da simetria das vibrações sagradas e harmônicos que tem declarado guerra ao subconsciente do homem do ocidental, levando as pessoas a apatia, alienação e robotização.

Ouvindo música em 432 Hz, nossos átomos e o nosso DNA começam a ressoar em harmonia com a espiral PHI da natureza, estará em sintonia consciente com a criação e consequentemente com as infinitas possibilidades. Encontramos a frequência 432 Hz nos seguinte itens:

  • No coração humano (ritmo cardíaco),
  • Na frequência de replicação do DNA,
  • No máximo funcionamento cerebral (sincronia entre os dois hemisférios),
  • Na frequência fundamental da Terra, 8 Hz – ressonância de Schumman,
  • Na geometria musical da criação.
  • Mas como diferenciar uma música afinada em 432 Hz de outra afinada em 440 Hz?

É impossível notar a diferença, sendo muito difícil perceber, é uma mudança sutil que só ouvidos treinados percebem. Dá pra perceber melhor com música calma e clássica do que com música alta e agressiva.

Com a frequência de 432 Hz há menos necessidade de reproduzir música tão alto como em 440 Hz. A diferença entre 440 Hz e 432 Hz é de apenas 8 vibrações por segundo, mas faz uma diferença notável na experiência da consciência humana. De acordo com os amantes da música, é mais agradável para a audição, mais suave, mais brilhante e mais bonita.

Este número é uma espécie de “frequência do Universo”. Tem relação com uma infinidade de “ocorrências”. Do diâmetro do Sol até a duração do minuto. É como se o Universo estivesse afinado à 432Hz.

A indústria da música tem essa frequência imposta que é “pastorear” populações para uma maior agressividade, agitação psicossocial e sofrimento emocional que predispõe as pessoas as doenças físicas. Os poderes que estão com sucesso reduzindo as vibrações, não só das jovens gerações, mas também de todos nós. Estas frequências destrutivas arrastam os pensamentos para a interrupção, desarmonia e desunião. Além disso, elas também estimulam o órgão controlador do corpo – o cérebro – para a ressonância desarmônica, que em última análise cria a doença e a guerra.

Frequência e vibração detêm um poder extremamente importante, ainda escondido para afetar as nossas vidas, nossa saúde, nossa sociedade e nosso mundo.

A ciência da Cymatics (ou seja, o estudo do som visível e vibração) prova que frequência e vibração são as chaves mestras e fundação organizacional para a criação de toda a matéria e da vida neste planeta. A música tem um poder oculto para afetar nossas mentes, nossos corpos, nossos pensamentos e nossa sociedade.

Quando a música é baseada em um padrão de afinação propositadamente retirados dos harmônicos naturais encontrados na natureza, o resultado final pode ser a intoxicação psíquica da mente em massa da humanidade.

A razão da humanidade permanecer em um constante estado de competição em vez de cooperação foi planejado e arquitetado dentro das sociedades secretas ao longo dos anos, criando pessoas alienadas, consumistas e totalmente desprovidas de personalidade, pensando apenas em construir, criar ou roubar os outros, para ter mais e mais, para deixar tudo isso aqui depois de sua morte, trabalhando feito um escravo em troca de nada. A música é um dos pilares para que isso ocorra, criando ilusões na mente dos fracos.

A ciência moderna está apenas começando a reconhecer o que os antigos sábios nos disseram durante séculos, tudo está num estado estacionário de vibração. A forma mais elementar do som é vibração. Tudo tem uma faixa ideal de vibração, Chamamos ressonância.

Uma maneira de usar o som para curar o corpo é reconhecer que todos os órgãos, e que cada célula, absorve e emite um som, e tem uma frequência ótima de um som particular.

Emoções e estados mentais têm certas frequências (vibração), ressonância, que é o segredo por trás do poder transformador da música e canto espiritual. Quando exposta a um tempo suficiente de frequência ressonante, corpo (e a mente) tendem a entrar em sincronia.

Hoje em dia, há diversos músicos e institutos lançando movimentos para se voltar ao padrão de afinação de 432 Hz, como objetivo “harmonizar” o homem com o mundo ao seu redor.

Talvez essa seja ainda uma ideia distante do alcance, já que todos os instrumentos musicais e as regras que os decifram caminhem sob a orientação da afinação de 440 Hz. Uma conspiração mundial com mais de um século de existência e pouco divulgada e falada em qualquer meio de comunicação, essa conspiração é real e poucos percebem, e vocês o que acham de tudo isso?

O padrão mais comum em todo o mundo é atualmente A = 440 Hz. Particularmente no início do século 21, muitos sites e vídeos online foram publicados defendendo a adoção da afinação de 432 Hz - muitas vezes referida como "Pitch Verdi" - em vez dos 440 Hz predominantes. 

Antes da padronização em 440 Hz, muitos países e organizações seguiam o padrão francês desde a década de 1860 de 435 Hz, que também havia sido a recomendação do governo austríaco em 1885.  Johann Heinrich Scheibler recomendou o A440 como padrão em 1834 depois de inventar o "tonômetro" para medir a altura,  e foi aprovado pela Sociedade Alemã de Cientistas Naturais e Médicos no mesmo ano.

A indústria musical americana atingiu um padrão informal de 440 Hz em 1926, e alguns começaram a usá-lo na fabricação de instrumentos.

Em 1936, a American Standards Association recomendou que o A acima do C médio fosse ajustado para 440 Hz. Esta norma foi adotada pela International Organization for Standardization em 1955 (reafirmada por eles em 1975) como ISO 16 .

É designado A 4 em notação científica porque ocorre na oitava que começa com a quarta tecla C em um teclado de piano padrão de 88 teclas. Em MIDI, A440 é nota 69 (0x45 hexadecimal).

A Conferência de Stuttgart de 1834 recomendou C264 (A440) como o tom padrão com base nos estudos de Scheibler com seu Tonometer. Por esta razão, o A440 foi referido como campo de Stuttgart ou campo de Scheibler.

Em 1939, uma conferência internacional recomendou que o lá acima do dó central fosse afinado em 440 Hz, agora conhecido como afinação de concerto . Como norma técnica, foi adotada pela Organização Internacional de Normalização em 1955 e reafirmada por ela em 1975 como ISO 16 . A diferença entre este e o diapasão normal é devido à confusão sobre a temperatura na qual o padrão francês deve ser medido. O padrão inicial era A =  439 Hz , mas foi substituído por A = 440 Hz, possivelmente porque 439 Hz era difícil de reproduzir em laboratório, já que 439 é um número primo .

Postar um comentário

Copyright © DUDUALLO | Distributed by Blogger Templates | Designed by OddThemes
Copyright © 2020-2022 DUDUALLO. Todos os direitos reservados.