Ticker

4/random/post-list

Projeto HAARP - Programa de Investigação de Aurora Ativa de Alta Frequência

 Em 1993, começou a funcionar no Alasca (Estados Unidos) o HAARP, um projeto de estudos sobre a ionosfera terrestre. O projeto High Frequency Active Auroral Research Program (HAARP) (Programa de Investigação de Aurora Ativa de Alta Frequência) é uma investigação financiada pela Força Aérea dos Estados Unidos, a Marinha e a Universidade do Alasca com o propósito oficial de "entender, simular e controlar os processos ionosféricos que poderiam mudar o funcionamento das comunicações e sistemas de vigilância". Muitos pesquisadores afirmam que o Projeto HAARP é uma nova "arma geofísica", capaz de manipular a baixa atmosfera terrestre. A instalação HAARP está localizada em Gakona, no Alasca, e inclui um transmissor de rádio de alta frequência que direciona sua energia para cima na ionosfera e no espaço, bem como um conjunto de instrumentos de diagnóstico óptico e de rádio. A pesquisa envolve o ambiente espacial começando a cerca de 100 km de altitude (60 milhas) até dezenas de milhares de quilômetros, muito acima da corrente de vento ou da atmosfera que afeta o clima terrestre.



O objetivo do HAARP da Força Aérea e da Marinha é conduzir programas de pesquisa de desenvolvimento básico, exploratório e avançado que levem ao uso da tecnologia emergente de ionosfera / rádio ciência para sistemas de próxima geração, caracterizando os processos físicos produzidos na ionosfera e no espaço. através de interações com ondas de rádio de alta potência. Segundo relatos oficiais, o projeto tem como objetivo principal ampliar o conhecimento obtido até hoje, sobre as propriedades físicas e elétricas da ionosfera terrestre. Com isso, seria possível melhorar o funcionamento de vários sistemas de comunicação e navegação, tanto civis quanto militares (o que gera desconfiança em grande parte dos conhecedores do HAARP). Para realizar estes estudos, as antenas de alta frequência do HAARP enviam ondas para a ionosfera visando a aquecê-la. Assim são estudados os efeitos das mais diversas interações de temperaturas e condições de pressão. Os atributos únicos do HAARP são sua capacidade demonstrada de criar perturbações ionosféricas em uma pequena região sobre a instalação e camadas ionosféricas estáveis e de vida longa, mesmo na ausência de atividade auroral. Sua localização superior no subártico permite experimentos de radar no horizonte e a utilização da ionosfera como uma grande antena para gerar ondas de frequência extremamente baixa para diversas aplicações. Existem algumas teorias dizendo que o HAARP na verdade seria uma arma geofísica, e que está ocorrendo uma nova transição na indústria bélica, que já passou pelas fases de armas brancas, armas de fogo, armas nucleares, armas biológicas e chegaria então ao patamar de armas geofísicas. Segundo estas teorias, seria possível controlar placas tectônicas, temperatura atmosférica e até mesmo o nível de radiação que passa pela camada de ozônio. O Projeto HAARP também poderia ser usado para o controle da mente e a lavagem cerebral. Existem ondas de rádio em diversas frequências, por mais que não sintonizemos nossos rádios para captá-las, elas estão no ar. O som também é emitido em frequências e há amplitudes delas que os ouvidos humanos não são capazes de captar, mas isso não quer dizer que elas não existam. Somando estes dois pontos, temos mais uma teoria conspiratória. Utilizando uma mescla de ondas de rádio com frequência sonora, os Estados Unidos poderiam manipular a mente coletiva para que algum ideal fosse defendido ou algum governo rival fosse atacado. Enviando as informações para toda a população em frequências que não poderiam ser captadas por aparelhos, não demoraria para que a “lavagem cerebral” estivesse concluída. Além disso o HAARP poderia fazer o mapeamento de todo o planeta em pouco minutos, pois as ondas de frequências extremas poderiam criar relatórios completos de tudo o que existe na superfície terrestre. Elementos vivos ou não, tudo poderia ser rastreado pelas ondas do HAARP. Pelo menos é o que dizem as teorias conspiratórias. O HAARP não é o único aquecedor ionosférico do planeta. Há também um localizado na Noruega e outro na Rússia. Todos eles realizam o mesmo processo: utilizam antenas de alta frequência para aquecer a ionosfera e criar uma aurora artificial. O que você pensa sobre tudo isso? Será mesmo que as intenções do governo americano são baseadas nos estudos dos benefícios da ionosfera para as comunicações ou isso é apenas álibi para pesquisas sobre armas geofísicas?

Postar um comentário

0 Comentários