Ticker

4/random/post-list

Porque muitas pessoas não acreditam na gente?

 Porque muitas pessoas não acreditam na gente?



Libelos de sangue são alegações de que uma pessoa ou um grupo participa de sacrifícios de outras pessoas, sendo frequente nessas alegações que o sangue das vítimas sacrificadas é utilizado em rituais e/ou atos de canibalismo. As vítimas dos supostos sacrifícios são, em geral, crianças. Judeus são o alvo mais comum dos libelos de sangue, porém, outros grupos já sofreram acusações do tipo, cataristas, cartagineses, Cavaleiros Templários, bruxas, hereges, romanos, wiccas, druidas, neopagãos, satanistas, evangélicos, protestantes, missionários e, recentemente, chineses. O Libelo de sangue acusa judeus de assassinar crianças cristãs para usar seu sangue como parte de rituais religiosos. Historicamente, essas alegações - juntamente com as de envenenamento e profanação de hóstias- têm sido um tema principal da perseguição de judeus na Europa. Os libelos de sangue tipicamente afirmam que os judeus exigem sangue humano para fabricar matzá (pão sem fermento) para a Páscoa judaica. O professor israelense Ariel Toaff, autor de "Pasque di Sangue" (Páscoa de Sangue), afirmou que, segundo sustenta em seu trabalho sobre as comunidades judaicas da Idade Média, tem fundamento alguns libelos desta época que acusavam os judeus de usar sangue de crianças cristãs em seus rituais. Afirma-se que Bram Stoker criou seu romance "Drácula" baseado essencialmente nesses fatos. A literatura oficial transfere todas as atenções ao real príncipe romeno Vlad Drácula, o empalador, um defensor do Cristianismo: "Antes de escrever 'Drácula' , Stoker encontrou Ármin Vambery que era um escritor húngaro e viajante. 'Dracula' provavelmente surgiu de histórias sombrias do Vambery das montanhas dos Cárpatos. Stoker, então, passou vários anos pesquisando folclore europeu e as histórias mitológicas dos vampiros. 'Drácula' é um romance epistolar , escrito como uma coleção de realistas, mas completamente ficcionais entradas de diário, telegramas, cartas, registros de bordo, e recortes de jornais"

Postar um comentário

0 Comentários